SHINTÔ

神道

Shintô

Shinto

O 神道 Shintô (ou Shintoísmo), também 神の道 Kami No Michi, e a religião ou forma de espiritualidade indígena nativa do Japão. Existiu séculos antes da chegada do Budismo no país (século VI d.C.) como religião politeísta com adoração dos elementos da natureza ou animismo. Não teve alguma tradição escrita, doutrina centralizada ou legado escultural. Acredita-se que tem sua origem no período Yayoi 弥生 (400 aC - 250 aC).

Na arte religiosa japonesa, as divindades Shintoístas não mostravam características antropomorfas até o século VIII, aproximadamente dois séculos depois da chegada do Budismo. Durante a era de 平安 Heian (794 - 1185), os numerosos 神 Kami (deidades) Shintoistas foram reconhecidas como 垂迹 Suijaku (manifestações ou encarnações) das divindades budistas (本地 honji ou 本地仏 honjibutsu), e um grande sincretismo aconteceu, com santuários e templos que compartilharam deidades e solos sagrados. Até mesmo hoje, o Shintoísmo permanece não onerado por doutrinas religiosas e convicções institucionalizadas, casamento-japonesservindo mais como uma base religiosa caracterizada pelos festivais populares, peregrinações de grupo e cerimônias especiais para marcar passagens fundamentais da vida (como o nascimento e matrimônio) e já, devido a sincretismo de ambas, os eventos de "vida após a morte" são controladas através do Budismo. É típico no Japão registrar ou celebrar um nascimento em um santuário Shintô, enquanto arranjos funerários geralmente são ditados através da tradição Budista.

Os locais de adoração do Shintô são chamados de santuários, enquanto os do budismo são chamados Templos. As deidades do Shintô são chamadas 神 Kami, Shin, Jin, 様 Sama, 天神 Tenjin, 権現 Gongen e 明神 Myôjin para distinguir das suas contrapartes budistas, que são conhecidas como 佛 - 仏 Butsu e 如来 Nyorai (todos significam Buda ou Tathagata), 菩薩 BOSATSU (significa Bodhisattva), 天 Ten (significando Deva), 明王 Myôô (significa os Reis iluminados).

Apesar de tentativas agressivas do governo em dividir o Budismo japonês e Shintoísmo em dos grupos distintos durante o Período de Meiji, eles continuam compartilhando ambas as deidades, espaços sagrados e conceitos. Alguns dos centros mais importantes do sincretismo Budista-Shintoísta são o templo-santuário Tendai no Monte 比叡 Hiei (Província de Shiga, próximo a Kyoto), a fortaleza Shingon no Monte 高野 Koya (próximo a Kyoto), os lugares sagrados ao longo da cadeia de montanhas em 熊野 Kumano, o complexo santuário 春日Kasuga em Nara e as muitas montanhas sagradas dos cultos montês do 修験道 Shugendo, inclusive o Monte 白山 Hakusan a noroeste de Honshu e 出羽三山 Dewa Sanzan no centro da província 山形県 Yamagata. As nativas deidades (Kami) que residem nestes cumes foram considerados manifestações de divindades budistas e acredita-se que peregrinações para estes locais traziam favorecimento duplo de ambos os segmentos, Shintô e Budismo. O termo 両部神道 Ryôbu Shintô é usado com o significando de Shintô de dois reinos. É geralmente recorria ao Shintô sincretizado com o Budismo e especificamente usado para interpretar o Budismo 真言Shingon, em encontro com o 天台 Tendai. Se o santuário tem uma placa no portão escrito Ryôbu Shintô identifica a influência do Shintô pelo Budismo. Essa coexistência de ambos no Japão durante séculos influenciou fortemente suas doutrinas.

A maioria das lendas e seres folclórico que encontramos hoje na cultura nipônica tem sua origem do Shintô, como o:

tanuki

Tanuki 狸 (Astuto Guaxinim Mágico com Poderes de mudar sua forma. Originalmente Mal, hoje benevolente e ícone da generosidade, alegria, e prosperidade);

Shishi

Shishi 獅子 ou Koma Inu 狛犬 (Cão leão);

tengu

karasu

Tengu 天狗 (literalmente Cão celeste, considerado o destruidor das vaidades);

ebisu_union

Ebisu (Deus da fortuna) 恵比須;

inari

Inari 稲荷 (Deus/Deusa do Arroz e Comida);

Ryu

龍 Tatsu ou Ryû (Dragão, Protetor das Leis budista, símbolo do Poder Imperial, Guardião da Direção Oriental, Controlador da Chuva e Tempestades, Guardião das Jóias da Maré, traz Riqueza e Fortuna);

hachiman

Hachiman 八幡 Protetor dos Guerreiros e das Grandes comunidades, Deus da Arquearia e Guerra, Deidade Shintô adotada pelo Budismo);

maneki

招猫 Manekineko (Gato Acenando da Sorte ou Gato Convidativo);

Kappa

河童 Kappa (Um dos muitos Suijin 水神 ou Kami (espírito) da agua,);

Oni

Oni (demônios).

Estudiosos do Japão e do Ocidente insistem que o Shintoísmo não existiu como uma religião independente até a elevação do nacionalismo moderno no inicio do Período de 明治 Meiji (1868-1912).

Hoje é muito difícil dizer quantos são os Shintoistas ou Budistas no Japão, mesmo porque qualquer pessoa que participe de algum culto Shintoista ou cultue os antepassados pode ser classificado como tal.